Sinopse:

“trama ambientada em uma das datas mais importantes e comemorada no México, o Dia dos Mortos, onde todos os moradores comemoram os parentes e amigos que faleceram.”

Durante a Comic Con Experience tivemos a oportunidade de assistir a pré-estreia de Viva: A Vida é uma Festa, e agora que ela finalmente está em cartaz você conferir nosso texto:

Desde 1995, com o lançamento de Toy Story, a Pixar deu seu primeiro passo para se tornar um sinônimo de excelentes animação, e que nos anos seguintes traria produções que embora possuíssem ideias ousadas, como Procurando Nemo, Os Incríveis, Ratatouille, Up, Wall-e e Divertidamente, continuariam conquistando e emocionando o público. Mas após projetos não tão bem sucedidos, como as sequências de Carros e Bom Dinossauro, estúdio consegue entregar uma nova e bela história, que engloba a cultura Mexicana de maneira respeitosa e tem tudo pra se tornar um novo clássico das animações.

A combinação das temáticas sobre vida e morte na trama são muito bem trabalhada e palpável, temos senso recorrente de preocupação em martelar a importância, lembrar-se dos seus feitos  em vida, valorizar amigos e família que mesmo que não estejam mais entre nós, se lembrar delas. Criar e firmar vínculos verdadeiros.

O visual por sua vez, ajuda na fluidez dessas mensagens nas entre linhas da história. A construção do mundo dos mortos e vivos engrandece o aperfeiçoamento técnico das animações, seja na iluminação, textura, direção de cenas ou nas microexpressões dos personagens, um perfeito exemplo disso e que vale ser destacado é a vovó Coco, que quase consegue nos fazer esquecer que estamos vendo uma animação.

Ainda no campo do visual, a transposição dos vivos para os mortos e o design da cidade onde vivem também se destacam pela riqueza de detalhes e cores. Somos bombardeados por cores vivas e pulsantes em inúmeros momentos.

A estrutura narrativa que permeia Miguel, segue a risca o padrão Pixar, onde existe um protagonista que precisa encarar o mundo, superar seus medos e voltar pra casa, pode causa um pequeno senso de repetição em momentos chaves, mesmo sendo apresentado sob uma nova perspectiva e introduza elementos inventivos pra história, como a grande quantidade de personagens secundários, que poderiam facilmente estar lá para momentos cômicos, mas possuem seus níveis de profundidade e relevância bem fundamentados para o filme.

Embora não entregue grandes surpresas, Viva: A Vida é uma Festa, se torna épico por abordar assuntos que poderiam ser complicados com simplicidade, beleza e emoção, o que reverbera uma amalgama de sentimentos em crianças e adultos. Sem conta a trilha sonora que por si só já é maravilhosa.

NOTA:

 

 

 

FICHA TÉCNICA
Direção: Lee Unkrich
Título Original: Coco
Gênero: Animação, aventura
Duração: 109 minutos
Classificação etária: Livre
Lançamento: 2018

Comments

comments