Stanley Martin Lieber, mais conhecido como Stan Lee, nasceu no dia 28 de dezembro de 1922 em Manhattan, New York, sua mãe se chamava Celia e seu pai, Jack Lieber, era cortador de vestidos. Sua família vivia uma crise financeira por conta da Grande Depressão e eles tiveram de se mudar para um apartamento de apenas um quarto, no Bronx. Por conta da condição de seus pais, Stanley viveu uma infância, e juventude, relativamente pobre.

Desde jovem, seu sonho era se tornar um grande escritor e ele começou escrevendo o obituário do Centro Nacional de Tuberculose. Além do trabalho como redator, Stanley entregava sanduíches no horário de almoço, era office boy de uma fábrica e, à noite, trabalhava como lanterninha em um teatro.

Em 1939, Martin Goodman fundou a Timely Comics, que mais tarde se tornaria a Marvel ComicsGoodman era casado com a prima de Stanley e convidou o jovem para participar da redação de sua empresa. Seu primeiro trabalho foi preenchendo o texto de algumas páginas da terceira edição de Capitão América, em 1941.
Começou a assinar como Stan Lee, porque pretendia lançar um livro com seu nome verdadeiro e não queria ser associado às histórias em quadrinhos, já que as HQs não eram consideradas grande coisa, na época.

Em Capitão América #5, ele escreveu o arco envolvendo o personagem Jerry Hunter, um jornalista que trabalhava como espião eliminando soldados nazistas. Um mês depois, ele trabalhou ao lado de Jack Binder e Alex Schomburg na criação de seu primeiro personagem: Destroyer, o Demolidor.

Quando Joe Simon e Jack Kirby deixaram a Timely Comics, Stan Lee tornou-se o editor da empresa, com apenas 17 anos! Nessa época, Stan Lee conheceu e trabalhou ao lado de outros grandes nomes da literatura como Charles Addams, criador da Família Addams, William Saroyan, ganhador do Prêmio Pulitzer com a obra O Tempo De Sua Vida, e Theodor Geisel, mais conhecido pelo seu pseudônimo Dr. Seuss.

Ele afirma que a frase “Com grandes poderes vem grandes responsabilidades” foi criada com base no que ele vivenciou no exército, já que os países possuíam uma capacidade bélica gigantesca e basicamente estavam com o destino do planeta nas mãos.Stanley e Joan Clayton Boocock se conheceram ainda na adolescência, Segundo Lee, ela era a garota mais bonita da rua, todos os rapazes eram apaixonados por ela e todas as garotas a admiravam por sua personalidade e beleza. Joan foi a inspiração por trás da musa de Peter Parker, Mary Jane Watson. Eles se casaram em 1947 e tiveram duas filhas, Joan Celia Lee, em 1950, e Jan Lee, que acabou morrendo algumas horas depois do parto.

Nos Anos 60, a DC Comics liderava a venda de quadrinhos graças à revitalização de seus heróis e a formação da Liga da Justiça. Stan Lee estava desanimado com a Marvel e pensando em abandonar seu trabalho. Sua esposa sugeriu que em vez de competir com os deuses da concorrente, tentasse abordar o aspecto humano de seus personagens. Isso deu uma nova motivação ao quadrinista.

Ao lado de grandes lendas dos quadrinhos como Jack Kirby, Steve Ditko e Bill Everett, Stan Lee iniciou uma verdadeira revolução dentro da Marvel e personagens como Homem-Aranha, Demolidor, Doutor Estranho e os X-Men demonstravam como os heróis tinham que equilibrar sua vidas pessoais com salvar o mundo e como isso acabava sendo um novo conflito para os próprios personagens.

Em 1971, o Departamento de Saúde, Bem-Estar e Educação dos Estados Unidos solicitou à Marvel que publicasse uma história em quadrinhos falando sobre os perigos do uso de drogas. Stan Lee era o editor-chefe da Casa das Ideias e ele mesmo criou uma história do Homem-Aranha, dividida em três partes, que mostrava Harry Osborn sofrendo os efeitos colaterais do uso de LSD.

A HQ foi rejeitada pela Associação Americana de Revistas em Quadrinhos (CCA), já que eles possuíam uma política de não apresentar drogas nas histórias, mesmo que mostradas sob um aspecto negativo. Mesmo assim a Marvel publicou a história sem o selo da CCA. A revista foi um sucesso de vendas, sendo até mesmo distribuída em escolas e universidades, o que levou a CCA a alterar sua política sobre a representação de drogas nos quadrinhos.

Stan Lee faz questão de aparecer em todos os filmes da Marvel, ele sempre faz uma ponta, as vezes rápida, as vezes com uma pequena fala, mas quase sempre com muito humor. De filmes de diferentes produtoras, como X-Men e Deadpool, até toda a saga dos Vingadores e as séries Agentes da S.H.I.E.L.D. e Demolidor.

Além dos filmes de super-heróis, ele já fez participações inusitadas como em O Diário da Princesa 2, Barrados no Shopping e Os Simpsons.

 

Comments

comments