Sinopse:

“Tendo dado seus primeiros passos no universo Jedi, Rey se junta à Luke Skywalker numa aventura com Leia, Finn e Poe que revela os mistérios da Força e os segredos do passado.”

Desde de 1977, George Lucas levou para o cinema o primeiro longa de uma franquia que viria a se consolidar como uma das mais famosas do cinema, Star Wars tem até hoje um apelo universal que de certa forma une as pessoas. Não há como não sentir nenhum apresso pelos personagens e seus clássicos arquétipos, os sabre de luz, naves, a icônica sequencia de abertura, os vilões, nos discursos, nas mais variadas lições filosóficas presente nas entrelinhas de cada produção.

Em 2015, comandado por J.J. Abrams, O Despertar da Força chegou aos cinemas, embora tenha um visível excesso de rimas visuais com seus antecessores, conseguiu trazer consigo essência que Star Wars deve ter, e em Os Últimos Jedi, coube a Rian Johnson dar seguimento neste universo.

Johnson, que também escreveu o roteiro, teve a corajosa decisão de não abordar uma história com uma estrutura muito familiar. Boa parcela da trama é desenvolvida de forma ousada, ocasionando numa total quebra de expectativa em vários níveis e sentidos o que pode pesar para o lado negativo de alguns fãs mais fervorosos, já que essa quebra faz com que Os Últimos Jedi ser um dos filmes mais particulares da franquia.

Por outro lado, o desenvolvimento se mostra problemática por uma falta de consistência em momentos micro e macros da trama, entregando uma visão um pouco banal, simplista demais, sem um momento prévio de preparo.

O arco narrativo da maioria dos personagens, que se conversa muito com a frase “O fracasso é o maior dos aprendizados“, citada no longa, é um dos maiores acertos da produção. Com destaque para Luke, vivido por Mark Hamill em sua melhor atuação, que ao se encontrar com a força, oferece uma das passagens mais emocionantes da saga, junto com as cenas envolvendo a General Leia. De maneira sútil, é notável os momentos de homenagem a Carrie Fisher, que veio a falecer após as filmagens.

A construção do conflito entre Rey e Kylo Ren, que integram o núcleo de novos protagonistas, é bem armada e ajuda a fazer o filme engatar. Enquanto isso, o plot criado para ocupar Finn, Poe e Rose funcionam e desenvolve muito bem suas motivações, mas por conta da montagem, acaba não tendo o peso que devia para a narrativa.

É seguro afirmar a cinematografia deste novo longa cause quase que um sentimento catarse no público, pois se consolida o mais lindo franquia. A beleza e cuidado na posição dos planos dá a nítida impressão que cada cena poderia dar um quadro.

Os Últimos Jedi bate de frente com o que um fã deseja ver e ainda que tropece nesse caminho, mostra o por que Star War nos comove e une gerações em uma envolvente história de uma galáxia, muito, muito distante.

NOTA FINAL:

FICHA TÉCNICA
Direção: Rian Johnson
Título Original: Star Wars: The Last Jedi
Gênero: Ação, Aventura
Duração: 152 minutos
Elenco: Daisy Ridley, John Boyega, Mark Hamill, Adam Driver, Carrie Fisher
Classificação etária:  12 anos
Lançamento: 2017

Comments

comments