Os jogos digitais (ou video-games) tornaram-se um aspecto importante da cultura contemporânea, moldados pelas novas tecnologias em constante evolução. O Museu dos Jogos Digitais em Berlim (Computerspiele Museum), assumiu para si o papel de preservar, estudar, investir em desenvolvimento, projetos científicos e eventos, disponibilizando ao público a história deste importante aspecto em nossa cultura. Ele permite que todos aprendam e experimentem a mídia essencial no mundo do Homo Ludens Digitalis.

O Museu dos Jogos abriu as portas para a primeira exibição permanente no mundo sobre Cultura digital e Entretenimento interativo em 1997. Suas salas receberam mais de 30 eventos nacionais e internacionais, incluindo os maiores eventos da Alemanha. No início dos Anos 2000 o museu foi fechado e transformado em um museu digital, quando, então, no ano de 2011, foi reaberto em uma nova localização. A nova casa do museu exala a arquitetura comunista da Década de 60, comum no bairro que o mesmo se encontra, Friedrichschain, quase no centro de Berlim. Contudo, em seu interior, você encontra os clássicos da Atari, Nintendo, Sega e muito mais. A exibição conta com mais de 300 mostras, sem contar as contidas nos arquivos do museu.

Entrar neste local é abraçar a nostalgia de mais de 60 anos da história dos Jogos digitais, dos primeiros consoles e games, até a tecnologia 3D. Este é um templo para todos aqueles que já experimentaram a sensação de ter um controle nas mãos em algum momento da vida e não somente para os geeks e nerds hardcore.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nos últimos anos, mais de 470.00 pessoas visitaram a exibição permanente “Jogos digitais. Evolução de uma Mídia”, que possui 22.000 jogos e aplicativos, 300 consoles e computadores vendidos na Europa e no mundo, além de revistas, pôsters e vídeos relacionados ao tema. Isso, sem contar a grande área de Arcade saída diretamente da Década de 80 que tornou os video-games parte da cultura popular. Essa área conta com alguns jogos raros, como Frogger (parceria entre a SEGA e a Konami) podendo ser jogado pelos visitantes.

A exposição começa com uma breve introdução da História dos Jogos, a partir daí, ela traça o desenvolvimento dos jogos digitais ao longo dos seus 60 anos em seu Mural de Marcos. Entre os consoles em exposição, você encontra não somente um Odyssey, o primeiro console criado em 1972, mas também um Nimrod, o primeiro computador para jogos criado em 1951 que utilizada tubos a vácuo para fazer os cálculos necessário para o jogo. E não podemos deixar de lado também, o primeiro jogo de produção em larga escala, o Computer Space.

Ao longo da exposição, caminhamos pela evolução dos jogos, consoles e sistemas e vemos o quanto o avanço tecnológico em voga empurrou o desenvolvimento dos jogos digitais e vice e versa. Passamos pelas famílias Nintendo e Playstation, com todas as suas versões em exposição, até chegarmos no mundo da realidade virtual. Aqui você encontra simuladores 3D e jogos com Oculus Rift a disposição dos aventureiros das novas fronteiras digitais.

 

Dos 300 consoles expostos no museu, 35 estão à disposição dos visitantes para utilização. Você não apenas tem a oportunidade de jogar, mas, vivencia a Década de 70 com o Pong, a Década de 80 com Space Invaders e a Década de 90 com Super Mario, em salas completamente temáticas.

Além dos jogos clássicos e sistemas inovadores, uma atração curiosa, mas bastante cotada do museu é a “PainStation” (“Estação da Dor”- tradução livre), um trocadilho com o console da Sony, o PlayStation. Essa atração pune fisicamente os jogadores que perdem o jogo, em geral utilizando calor ou leves choques elétricos.

 

Comments

comments