Cuidado com os spoilers!

A sétima temporada de Game of Thrones foi ao ar neste domingo e chegou com tudo. Dê uma olhada no que achamos desse retorno.

Muitas novidades chegam nesse primeiro e avassalador episódio de Game of Thrones, (que se inicia exatamente onde a temporada anterior termina), mas o destaque vai para Arya Stark. A mais nova dos nortenhos chega mostrando que “Enquanto um lobo viver as ovelhas não estarão seguras” ao finalizar a sua vingança contra os Frey responsáveis pelo terrível Casamento Vermelho, ela deixa As Gêmeas forrada com o sangue dos traidores. Esse é o inicio perfeito para o episódio, já que logo de cara mostra como a série trabalha o psicológico do espectador.

Deixamos um Stark e logo encontramos outro. Bran Stark finalmente chega a Muralha e informa a aproximação dos Caminhantes Brancos, descobrimos aqui que ele está acompanhando-os através do corpo do gigante Mag, o Poderoso. E agora poderemos ver mais destaque á Bran e Meera Reed que foram esquecidos nas temporadas anteriores.

Pouco mais ao sul temos Jon Snow preparando os Lordes do Norte para a chegada dos Caminhantes. Nesta parte dois momentos chamam a atenção:

A primeira é Sansa Stark descordando do Rei do Norte na frente de toda a corte, temos então a primeira citação a Ned Stark nesta temporada, quando Jon diz que seu pai lhe ensinou, “O homem que dá a sentença deve executá-la” enquanto decidem o destino das casas que lutaram ao lado dos Boltons. Vemos uma Sansa cada vez mais parecida com Cersei á momentos em que parece a Lannister falando através da jovem Stark. As diferenças entre os irmão ficam maiores, porém eles continuam unidos a princípio.

A segunda é Snow dizendo que não apenas os homens se prepararão para a guerra contra os mortos, mas as mulheres também, e então temos mais uma vez um discurso inspirador da pequena, porém brilhante, Lyana MormontAs falas de Lyanna são sempre fortes e aqui elas mostram o quão preocupados estão com a guerra e o clima da série fica cada vez mais sombrio.

Ainda em Winterfell um corvo, a mando da rainha Cersei Lannister, chega com a intimação para que Jon compareça em Porto Real e em uma conversa com Sansa fica claro que mesmo depois de todo esse tempo Ned Stark estava certo, Jon pode não possuir seu nome mas tem o seu sangue e sua honra. Sansa aconselha Snow a ser mais inteligente que Robb Ned, porém Jon reluta em ouvi-la. As cenas do norte acabam aqui, mas deixam aquele gosto de quero mais.

Chegamos finalmente a Porto Real onde os gêmeos Lannister falam sobre a guerra e ao fato de Cersei ter um reino divido e quase nenhum aliado agora devido á morte dos Frey. Enquanto a rainha força uma confiança em sua vitória, Jaime alerta que “Nem mesmo os Lannister podem vencer sem aliados”. Vale ressaltar a posição em que os irmãos estão no grande mapa desenhado no chão, Cersei  se encontra na região de Gargalo e Jaime  na região conhecida como Dedos, o que pode indicar uma profecia não falada na série de que o irmão mais novo estrangularia a mais velha. Um dialogo simples, porém bom de se observar já que vemos uma guerra quase que perdida e a casa do Leão quase destruída. Toda a fotografia dessa cena é muito bonita e o fato da rainha estar sempre de preto mantem o tom da série.

Euron Greyjoy pede a mão da Rainha Cersei e tem seu pedido negado, mas não desiste e diz que voltará com presentes irrecusáveis. A troca de farpas entre o pretendente e Jaime nos anima de ver a sala do trono que está quase que sem cor e com uma corte quase que vazia.

Em seu caminho para matar a Rainha, Arya Stark encontra um grupo de soldados Lannisters, eles comem, bebem e riem, seria apenas uma parada comum se um desses soldados não fosse o cantor Ed Shereen, descobrimos neste ponto os planos da pequena Stark e a qual família o cantor serve. Claro que temos uma palinha da boa voz de Ed. Porém esta parece apenas uma cena de fanservice.

Vemos também a procura por abrigo de Cão e os Homens sem Bandeira, que ao adentrar uma casa supostamente abandonada, encontram os corpos de um pai e uma filha que morreram no frio. Nesse momento, induzido por Thoros de Myr a encarar o fogo, Cão tem a visão de milhares de Caminhantes chegando por uma montanha que parece a ponta de uma flecha e se localiza na beirada da Muralha. Após a visão Clegane vai enterrar os corpos dos plebeus que encontraram no interior da cabana, esses foram os mesmos que o abrigaram algumas temporadas atrás, nesse ponto vemos um pouco da humanidade tão pouco aparente do personagem.

Na Cidadela,  Samwell Tarly ainda estuda para ser um Meistre e começa a buscar mais informações sobre os Caminhantes e como detê-los. Após roubar alguns livros secretos, ele descobre a mina de Vidro de Dragão escondida abaixo da fortaleza Pedra do Dragão.

Aqui temos também uma sequência de cenas onde é mostrado o dia a dia de Sam e a semelhança entre os dejetos que ele joga fora e a comida que ele serve. Essa é outra cena desnecessária no episódio, feita apenas para que o espectador sinta repulsa. Por fim, Sor Jorah aparece com escamagris perguntando sobre a chegada de Daenerysprovando que a friendzone é eterna.

As cenas finais do episodio são marcadas pela chegada da Mãe dos Dragões em seu lar. É a primeira vez desde o Rei Louco que um Targaryen se senta no trono de Pedra do Dragão. Temos uma cena onde Daenerys retira uma bandeira Baratheon da fortaleza e a deixa caída ao chão, mostrando que os donos do lugar voltaram. Os créditos sobem após a Khaleesi perguntar a Tyrion Lannister:Podemos começar?” toda a parte final do episódio é dedicado como um grande fanservice a mãe dos dragões.

Pedra do Dragão não é tão agitado quanto Batalha dos Bastardos, nem tão tenso quanto Não Rebaixados, Não Curvados, Não Quebrados, mas cumpre o seu propósito de preparar o terreno para a guerra que virá e mostrar os personagens favoritos dos fãs.

Comments

comments