Se você se interessa por quadrinhos fora do padrão, está no lugar certo

O selo DC/Vertigo trata de assuntos mais maduros e intensos, usando um dos recursos mais interessantes: você não consegue ler apenas um capítulo.

Bem sombrio, as vezes até mesmo com humor irônico e de nomes como Alan Moore e Neil Gaiman a Bill Willingham e Brian Wood, a Vertigo vem crescendo muito nas livrarias do Brasil, sendo uma das maiores vendas da DC no país.

Se você não conhece o selo e acha que é apenas fantasia ou terror, está bastante enganado, o conteúdo tem se expandido bastante nos últimos anos inclusive no gênero policial, ou seja, é uma leitura para muitos gostos diferentes.

Por mais que tenham inúmeros quadrinhos insanamente incríveis, aqui vou enumerar uma pequena lista dos cinco melhores – na minha humilde opinião – e resumir um pouco da história de cada um para quem se interessar a começar a leitura. Vamos as indicações:

100 Balas

Um homem, uma maleta e 100 balas. Essa é parte da premissa da história do roteirista Brian Azzarello.

O misterioso agente Graves aparece a uma pessoa, que foi acusada erroneamente de um crime, e o entrega uma mala, dando a ela a chance de se vingar de seu acusador e não ser pega de forma nenhuma.

Como? A valise contém uma pistola com 100 balas não rastreáveis mais provas incontestáveis da inocência dessa pessoa. Parece surreal, mas a série passa exatamente o que tem que passar: desespero, dúvida, questionamento sobre o que é certo e errado, e muito mais que isso, você se coloca no lugar da “vítima” e pensa em sua própria índole.

Junto de tudo isso, temos a agonia de saber quem é o agente Graves, que é um dos sentimentos mais perturbadores da HQ, ninguém sabe de onde ele veio, como ele conseguiu as provas ou o que ele ganha com aquilo tudo, mas as reações das pessoas e histórias são ainda mais intrigantes.

Vampiro Americano

Todos os vampiros que você conheceu até hoje vão parecer brincadeira de criança perto de Skinner Sweet, o primeiro vampiro a ser criado nos Estados Unidos. Com o roteiro de Scott Synder e o grande Stephen King, junto do ilustrador brasileiro Rafael Albuquerque, a HQ mostra o quão cruel, sem escrúpulos e sanguinário podem ser essas criaturas e o porquê, na realidade, não é tão fácil ser como eles.

Por mais irônico que pareça, Vampiro Americano te prende na leitura justamente por todo terror que causa, acompanhando as aventuras não só de Skinner, mas também de Pearl, uma jovem atriz e outros vampiros que aparecem ao longo da série, desvendando seus poderes, desejos, como sobrevivem, e é claro, muito sangue envolvido em todos os capítulos.

Preacher

Considerada uma HQ bastante polêmica – mesmo para Vertigo, Preacher conta a historia de Jesse Custer, um pastor do Texas que foi possuído por uma entidade, que nasceu da união de um anjo com um demônio. Como os dois tornaram-se um, Jesse acabou ganhando um dom: o poder da Palavra, o que resulta em todas as pessoas obedecerem suas ordens.

Ao descobrir que Deus abandonou seu posto e desistiu da humanidade por meio de um anjo, o ex pastor se une a namorada Tulip e seu amigo vampiro Cassid, e decide ir atrás do Todo Poderoso, apenas para tirar satisfações. Custer queria questionar Deus e saber porquê o mesmo não seria capaz de consertar as coisas, já que por causa de toda aquela confusão, ele estava sendo caçado por não só um assassino ressuscitado, mas também pela policia e até organizações secretas.

Escrita por Garth Ennis, Preacher é recheado de tiradas sensacionais, cenas extraordinárias e personagens muito marcantes, como um dos meus favoritos, Arseface. A lida vale muito a pena e são apenas 66 edições, um número bastante sugestivo, diga-se de passagem.

Hellblazer

Céu, inferno, anjos, demônios, magia, possessões, invocações e manipulações entre o bem e o mal não são nem o começo dos problemas que John Constantine tem que enfrentar.

Nos anos 80, o mago foi criado por Alan Moore e sua primeira aparição foi em Monstro do Pântano, como personagem secundário, mas apenas um ano depois ganhou vida em Hellblazer, pelo roteirista Jamie Delano.

Com seu amigo Chas, que é motorista de taxi e com quem passa a maior parte do tempo brigando, John abusa do cinismo e não tem medo de brincar com o sobrenatural – isso também inclui vampiros, fantasmas entre outros -, as vezes até arriscando a vida de alguém, seja a dele ou de outra pessoa. Irreverente e cheia de ironia, criticas a politica e a sociedade, Hellblazer é quase como a porta de entrada para Vertigo, sendo a mais longa série e a mais famosa. Pra quem gosta de anti-heróis que adoram provocar anjos e brigar com o Diabo, John é o cara perfeito.

Sandman

Escrita por Neil Gaiman, Sandman ganhou o primeiro lugar por ser uma obra completa e vai muito além de histórias em quadrinhos. Com desenhistas incriveis e que te levam a outro mundo no quesito imaginação, Sandman conta a história de Sonho – apenas um de seus vários nomes -, que é uma representação antropormófica do sonho, e um dos Sete Perpétuos, que são entidades que controlam a ordem do universo. Também conhecidos como Sem Fim, são eles Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio, todos sendo irmãos, existem desde o inicio do universo e não são deuses, como alguns acreditam, porém são as criaturas mais poderosas do universo Sandman.

Em treze arcos, Gaiman nos mostra como podemos ser pequenos diante de situações incontroláveis, de seres incrivelmente poderosos mas também como até o Diabo quer tirar uma folga do trabalho. Sandman fala sobre familia, amor, sobre a existência além do materialismo e também sobre a morte.

São contos diferentes, 75 números e mais algumas histórias extras por outros autores, mas cada uma delas vale a pena ler, tanto que foi a primeira HQ a entrar na lista de best sellers nos EUA, diria merecidamente.

Assim concluo a pequena lista, trazendo as cinco HQs que, pra mim, fazem jus ao selo Vertigo, que mostram em suma, toda sua maturidade e irreverencia em histórias inteligentes.

Comments

comments